Tunis
Marque já a sua próxima viagem através do Booking.

A Tunísia é um daqueles países que tanto atrai, por ser um destino exótico, como nos deixa apreensivos, por causa do choque cultural. No entanto nesta altura, é preciso nos questionarmos se é seguro viajar para a Tunísia.

Situada no norte de África, numa posição geográfica privilegiada, a Tunísia tem um passado muito rico, que lhe valeu um papel determinante no mar Mediterrâneo. A sua origem remonta às ancestrais tribos berberes e à fundação de Cartago, tendo evoluído até aos dias de hoje num percurso de altos e também de alguns baixos.

A Tunísia sempre foi um país muito seguro para viajar, com uma reputação que a precedia. “É um país muçulmano, mas é diferente”, costumam dizer os guias turísticos aos visitantes. Afinal de contas, estamos a falar de um país que vive sobretudo do turismo e de quem visita as suas cidades.

A Tunísia regista por ano uma média de cerca de 10 milhões de turistas provenientes dos quatro cantos do Mundo, que por regra consideram seguro viajar para a Tunísia.

Segurança nas ruas da Tunísia

O sentimento de segurança para quem caminha nas ruas tunisinas é muito alto. Um dos principais fatores é porque existe imensa polícia a patrulhar regularmente as ruas, o que dá uma sensação securitária muito importante para quem está desconfortável ao início.

Além disso, o povo local é conhecido por ser bastante hospitaleiro, contribuindo para que os visitantes se sintam imediatamente em casa.

Também é verdade que os tunisinos podem ser um pouco… atrevidos, digamos assim. Principalmente para com as mulheres. No entanto, não confundir atrevimento com desrespeito.

Os tunisinos podem ficar surpreendidos com os cabelos compridos e podem tocar sem permissão, mas não o fazem por mal ou para assediar a mulher. É antes uma curiosidade normal e natural, de quem não está habituado a ver mulheres com os cabelos livres. Isto não significa que não é seguro viajar para a Tunísia.

Afinal de contas, estamos a falar de um país muçulmano. E, por isso, também é fundamental agir com respeito. É uma das regras impossíveis de contornar de quem viaja, principalmente para destinos mais exóticos: em Roma sê romano, diz a sabedoria popular. Por isso, há que evitar ser rude ou desrespeitoso para a cultura e religião local.

As mulheres devem evitar utilizar decotes pronunciados, mini-saias, calções ou blusas de alças. Contudo, não pense que tem que utilizar burka ou qualquer véu na cabeça. Só o fará se assim o entender.

Os tunisinos também gostam de se meter com os turistas ocidentais e oferecer camelos em troca das mulheres. No entanto, isso não é verdade e é feito tudo como brincadeira.

É já uma reputação que precede os homens tunisinos e eles gostam de manter essa imagem do exótico negociante oriental, em busca de uma mulher loira de olhos azuis. Não se assuste, tudo não passa de uma brincadeira e ninguém os está a tentar raptar. A Tunísia respeita muito o turista.

Os tunisinos também são conhecidos pela sua queda para regatear. É impossível ir comprar algo a um bazar e não negociar o preço. Aliás, não o fazer até pode ser entendido como uma falta de delicadeza. E, como falámos anteriormente, ninguém quer ser rude quando visita um país diferente do seu, especialmente com uma cultura e hábitos exóticos. Por isso, se um mercador estiver a ser melga não se irrite. É apenas comércio, que em nada afeta a segurança de viajar para a Tunísia.

Primavera Árabe

A Tunísia sempre foi conhecida por ser o mais ocidental dos países do norte de África, mas em 2010 a situação política agitou-se. A Tunísia também passou pela Primavera Árabe que mudou a região e fez a sua própria Revolução de Jasmim, que levou à queda do presidente Ben Ali.

O fato de ser um dos países mais seguros daquela zona prova pela forma tranquila e pacífica como foi efetuada a transição. E, em 2015, isso valeu-lhe mesmo um Nobel da Paz, entregue ao Quarteto para o Diálogo Nacional da Tunísia, um grupo de quatro organizações tunisinas que trabalhou em conjunto em prol do regime democrático no país.

Nos últimos anos, a Tunísia tem recuperado lentamente o fulgor turístico que marcou as últimas décadas e Túnis, a capital do país, voltou a ser a mesma capital vibrante e onde a tradição islâmica se mistura com a modernidade ocidental.

Tradição e história caminham lado a lado, de mão dada, com a contemporaneidade, num dos mais interessantes países do norte de África. E, como é geograficamente pequeno, torna-se muito fácil visitar a Tunísia.

Em 2015, a Tunísia foi palco de dois atentados terroristas, que levaram à quebra dessa recuperação do turismo no país. Dois ataques, no Museu Nacional do Bardo, na capital Túnis, e em Sousse, abalaram a confiança do país, que entretanto tem recuperado muito depressa.

Atualmente, apesar de oficialmente se manter o estado de emergência no seu nível de alerta mais elevado em todo o território nacional, verifica-se uma melhoria na situação securitária.

Coronavírus na Tunísia

Tal como no resto do Mundo, a Tunísia enfrenta também a pandemia do novo coronavírus, o Covid-19, que afeta a segurança de viajar para a Tunísia e para todos outros países.

A Tunísia adotou medidas de quarentena preventiva, para tentar prevenir o contágio, e as viagens de e para o país estão a ser fortemente desaconselhadas. Apenas em casos de força maior devem acontecer.

No entanto, assim que esta situação voltar ao normal, as restrições deverão ser rapidamente levantadas. Além disso, o governo tunisino suspendeu todos os voos e ligações marítimas com a Itália, excetuando um voo por semana com a capital, Roma.

Atualmente existem 18 casos de coronavírus na Tunísia, dois dos quais são considerados em estado grave de acordo com dados oficiais. No entanto, não houve até agora vítimas no país que tem tomados medidas para se prevenir.

Entretanto, não se esqueça de adotar todas as medidas de etiqueta respiratória essenciais para a contenção do covid-19.

Assim, tussa e espirre sempre para o braço e não para as mãos; utilize lenços de papel para se assoar e descarte-os de seguida; lave as mãos com água e sabão regularmente; evite tocar na face, na boca e nos olhos, especialmente com as mãos sujas ou contaminadas.

Se está a planear a sua viagem à Tunísia num futuro próximo existem ainda algumas coisas a ter em consideração. Os cidadãos brasileiros não necessitam de visto para estadias inferiores a 90 dias na Tunísia, estando dispensados dessa obrigatoriedade burocrática.

Também não existe qualquer vacinação obrigatória. Contudo, não deixe de visitar o seu medico antes de partir. Nada como ouvir os especialistas e suas recomendações.

Apreciar o país Mediterrâneo

Com um clima ameno típico dos países do Mediterrâneo, a Tunísia pode ser visitada tanto no Verão como no Inverno. Procure evitar os meses de maior concentração de turistas, ou seja, em Agosto e Setembro.

Procure antes o início do Verão, como em Maio ou Junho, ou mesmo o final, em Outubro, altura em que ainda poderá visitar e frequentar as suas magníficas praias. Tenha em atenção que as noites no deserto são sempre frias, mesmo no pico do verão, por isso não dispense levar um casaco.

A moeda local é o dinar, que pode ser trocada em casas de câmbio ou levantada em qualquer caixa multibanco. Pode ainda pagar em dólares, já que quase todas as lojas e vendedores os aceitam, mas provavelmente irá ficar a perder dinheiro.

Tenha atenção que é totalmente proibido sair da Tunísia com dinares. Por isso, procure gastar todo o dinheiro que tenha consigo ou troque-as nas casas de câmbio. Existem inclusive no aeroporto, por isso poderá fazê-lo antes da sua viagem de despedida.

A Tunísia é assim um país extremamente seguro para visitar e para umas férias inesquecíveis. Os milhares de visitantes que visitam o país todos os anos estão aí para comprovar.

O preço das viagens começa a disparar novamente, à medida que a Tunísia recupera a sua confiança e a sua reputação volta a crescer. Por isso, esta é a altura ideal para marcar a viagem que anda a adiar há bastante tempo. Acredite que não se vai arrepender. A Tunísia é mesmo uma viagem de sonho.